[ editar artigo]

No Japão, idosos cometem crimes para serem presos e não morrerem na pobreza com aposentadoria miserável

No Japão, idosos cometem crimes para serem presos e não morrerem na pobreza com aposentadoria miserável

O Japão enfrenta uma onda de criminalidade entre idosos - a proporção de crimes cometidos por pessoas com mais de 65 anos vem aumentando de forma constante há 20 anos. O correspondente da BBC, Ed Butler, investiga o motivo.

Em um centro de reabilitação em Hiroshima - dedicado à reinserção social de ex-detentos - Toshio Takata, de 69 anos, conta que infringiu a lei porque era pobre. Ele queria um lugar para morar de graça, mesmo que fosse atrás das grades. "Cheguei à idade de me aposentar e fiquei sem dinheiro. Me ocorreu então que talvez eu pudesse morar de graça se vivesse na cadeia", diz ele.

"Roubei uma bicicleta e fui até a delegacia e disse: 'Olha, eu roubei isso'." A estratégia funcionou. Esta foi a primeira infração cometida por Toshio, quando ele tinha 62 anos, mas as cortes japonesas tratam os pequenos furtos com rigor, então foi o suficiente para ele ser condenado a um ano de prisão.

Baixo, magro e com risada fácil, Toshio não se parece em nada com o estereótipo de um criminoso, muito menos com alguém que seria capaz de ameaçar mulheres com uma faca. Mas após ser solto, foi exatamente o que ele fez. "Fui a um parque e apenas as ameacei. Eu não pretendia fazer nenhum mal. Só mostrei a faca para elas, esperando que uma delas chamasse a polícia. Uma delas fez isso.

'Hospedagem' inusitada

Ao todo, Toshio passou metade dos últimos oito anos atrás das grades. Pergunto se ele gosta de ficar na prisão, e ele aponta uma vantagem financeira adicional - a aposentadoria continua sendo paga mesmo quando ele está lá dentro. "Não é que eu goste, mas posso ficar lá de graça", diz ele. "E quando saio, economizei algum dinheiro. Então, não é tão doloroso."

O caso de Toshio ilustra uma tendência impressionante na criminalidade japonesa. Em uma sociedade notavelmente respeitadora da lei, um número cada vez maior de crimes é cometido por pessoas com mais de 65 anos.

Em 1997, cerca de uma em cada vinte condenações foram de indivíduos nesta faixa etária. Vinte anos depois, no entanto, essa fração subiu para mais de uma em cinco - frequência que supera o crescimento desta parcela da população (embora os idosos correspondam atualmente a mais de um quarto dos habitantes do país). E assim como Toshio, muitos desses infratores idosos são reincidentes.

Das 2,5 mil pessoas com mais de 65 anos condenadas em 2016, mais de um terço acumulava mais de cinco condenações anteriores. Outro exemplo é Keiko (nome fictício).

Aos 70 anos, ela também me diz que a pobreza foi sua ruína. "Eu não conseguia conviver com meu marido. Não tinha onde morar, tampouco lugar para ficar. Foi minha única escolha: roubar", revela.

"Mesmo as mulheres na faixa dos 80 anos que não conseguem andar direito estão cometendo crimes. É porque não conseguem comida, dinheiro." Nós conversamos há alguns meses em um abrigo para ex-detentos. Mas já me contaram que ela foi presa novamente e agora está cumprindo pena por furtar em uma loja.

O furto, principalmente em lojas, é esmagadoramente o principal crime cometido por idosos infratores. Eles costumam roubar alimentos baratos de algum mercado que frequentem regularmente.

Veja matéria na integra AQUI

Ler matéria completa
Indicados para você